-->

domingo, 29 de abril de 2007

Instalaram o Windows em um hospício

Isso não é novidade. Está circulando pela internet brasileira desde 10/2006, ou até antes, mas eu só vi agora.

Eu tinha certeza absoluta de que havia gente suficientemente burra para instalar um software pirata e ligar para o suporte para pedir ajuda. Mas instalar o Windows pirata, ciente disso, e ligar para a MS exigindo as instruções de remoção do WGA, ameaçando levar a empresa para o tribunal porque o Windows Genuine Advantage descobriu que seu Windows é pirata e este não atualiza mais, não é mais burrice, é loucura mesmo. E genética, pelo jeito.

Atenção: Se você se ofende com linguajar de baixo calão, não ouça.



É tão absurdo que parece fake, principalmente no momento que a "mãe" afirma com todas as palavras que comprou o software falsificado. Mas também parece mesmo com um diálogo normal entre um usuário "completamente incompetente" e o suporte. O atendente parece um santo de tão calmo, mas eu sei que eles são treinados para isso mesmo. Entra por um ouvido e sai pelo outro.

Se é falso, pelo menos os "atores" são bons :)


Editado: encontrei o arquivo em .mp3 aqui

10 comentários:

  1. Bom, se fosse realmente num hospício, finalmente haveria algum sentido em usar Windows.

    ResponderExcluir
  2. Rafael,

    Esse foi um comentário exagerado e ofensivo para se fazer no blog de um usuário Windows. Fale bem das suas escolhas, sem desrespeitar as minhas, que estará usando muito melhor seu tempo e o meu.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo2/5/07 18:53

    Só pode ser fake, não é possivel esse nivel de insanidade fora de um hospicio....pensando bem, já ví muita coisa similar. o dialogo é simplesmente desesperador, vc deveria colocar uma advertencia para hipertensos e cardiacos.

    ResponderExcluir
  4. Quando a "mãe" entrou, eu já estava incomodado. Só escutei até o fim porque o cara que estava mostrando o diálogo para mim não quis parar.

    Quando ela falou "MINHA casa, MEU telefone" eu teria mandado enfiar os dois onde o sol não brilha...

    Eu, definitivamente, não sirvo para esse tipo de trabalho.

    ResponderExcluir
  5. Anderson Heib2/5/07 21:43

    De fato... a ignorancia tomou conta, é absurdamente tosco...rsrs
    Mais vale levar em conta o atendimento péssimo que o técnico estava prestando, o atendente mal sabia explicar o caso. Lamentavel.

    ResponderExcluir
  6. Anderson,

    O atendente não tem que dar explicação alguma enquanto o cliente recusar-se a se identificar como tal.

    Uma situação semelhante ocorre se você ligar para a Dell. Enquanto você não disser o número de identificação do seu Dell, não há atendimento, porque você não se identificou como um cliente Dell. E isso está certíssimo, porque um cliente Dell não vai querer ficar esperando na linha enquanto o atendente perde seu tempo dando atenção a quem comprou um xing-ling qualquer e está atrás de suporte gratuito.

    ResponderExcluir
  7. E evidentemente nem a mae nem a filha quiseram abrir um cadastro (identificando-se assim) porque elas sabiam que tinham um produto pirata... e mesmo assim queriam atendimento da MS??? Santa prepotência, Batman!!!

    ResponderExcluir
  8. Anônimo8/5/07 22:53

    Parabéns pelo seu blog. Depois que o descobri volto sempre. O caso da mãe é hilário, mas talvez reflita a ignorância que assola o país e a moral que se afirma cada vez mais de se ter direitos, direitos e nenhuma obrigação. Direito de invadir propriedade alheia, direito de receber aposentadoria falsa, direito de receber sem trabalhar, etc.
    ps : baixei o mp3 mas toca errado em alta velocidade.

    ResponderExcluir
  9. Quase me acabo de rir aqui, ou comédia, duas antas ligando pra Microsoft. Coitado do atendente, não podia falar nada, mas aposto que vontade ele teve, quem não teria, kakakkaa.

    ResponderExcluir
  10. Na verdade, não são "mãe" e "filha". Se você reparar bem, quando a "filha" entra (lá pelos 4:10 na gravação que tenho, que peguei aqui), a mulher diz:

    "Alô, aqui é a MINHA FILHA que está falando."

    Não é a "filha da Kátia". É: "Eu sou a minha filha, eu mesma me dei à luz".

    Pense bem: em que momento alguém em sã consciência diria "Não sou eu este que vos fala, mas outra pessoa"? Óbvio que era a mesma mulher querendo se passar por sua filha.

    E é justamente por causa desse trecho que penso que não é fake. Um texto artificial não reproduziria tão bem um erro tão humano e sutil.

    Exceto quando isso é propositalmente o clímax do texto, como em um episódio dos Trapalhões dos anos 80, em que o Zacarias, em papel de aluno, liga pra escola e diz que "O Zacarias não pode ir à aula hoje porque está doente". "Tudo bem", responde o diretor, "mas quem está falando?" - "Aqui é o 'meu pai'!"

    ResponderExcluir

Siga as regras do blog ou seu comentário será ignorado.